Escritos de um sábado


Votem no PT senão o Brasil não será hexa campeão de futebol


Claro que esse título não possui nenhuma lógica, mas quis sentir a sensação da moda dos textos com título nada haver. A corrida armamentista, quer dizer presidencialista, está acirrada e o seu segundo capítulo é o tema dessa semana.

A mulher de vermelho, após sofrer um grande susto, retomou a liderança das pesquisas. A verdade é que ela não é o grande ex-presidente de vermelho e o Brasil caiu muito em relação ao patamar em que estava, mas pergunta-se, e vai trocar ela por quem? O sorridente de azul? A gênia de verde? O partido da mulher de vermelho está mergulhado na corrupção? Não se pode negar isso, contudo como se pode determinar que essa corrupção é maior que a dos outros partidos? O engavetador geral da república, do governo do grande intelectual que após o fim do seu governo quer legalizar a maconha, com certeza não nos permite hoje termos parâmetros para comparação. Uma verdade tá sendo dita, é melhor um governo capaz de fiscalizar a si próprio do que… bem, do que um governo com um engavetador geral da república. A mulher de vermelha ainda foi astuta o suficiente para criar universidades e programas como o Ciência Sem Fronteiras, que possui quase que o mesmo impacto que o Bolsa Família, sendo que voltado apenas para um grupo de estudantes. Ela tem eles nas mãos.

O sorridente de azul, paga até hoje a divida do governo de seus antecessores. Esqueceram o nordeste, privatizaram até o chão onde você pisa (claro, estou exagerando). Ah e claro novamente, sem falar no engavetador geral da república mais uma vez. E o engraçado é que o intelectual ex-presidente não é abordado em momento nenhum sobre esses assuntos. Enquanto isso, o ex-presidente de vermelho é bombardeado de perguntas a todo momento sobre os problemas do seu partido. Mesmo assim, o homem de azul parece ter feito um excelente trabalho em Minas e bestas são os que tentam atacar ele sobre assuntos daquela região. Tem experiência, contudo, a situação nas pesquisar culminou na tentativa de lançar uma proposta ousada… salário para estudantes! É isso mesmo, alguns estudantes ganharão salário para estudar. O sorriso simpático do homem de azul só possui o adversário que foi citado anteriormente: o passado do seu partido. Não adianta ele tentar atacar os adversários (afinal isso é sinal de desespero, pelo menos ao meu ver, na corrida armamentista), ele tem que mostrar que seu partido mudou.

A gênia de verde. Sua inteligência dispensa elogios. E o primeiro capítulo da corrida presidencialista, somente ele, fez ela estar no patamar em que se encontra. Se o avião não tivesse caído, nem ela nem o ex-candidato teriam alcançado um lugar tão alto na disputa. Vale lembrar que assim como o ex de vermelho não é a de vermelho, a gênida de verde também não é o que já não está entre nós. Algumas coisas que eram defendidas por ele caíram no colo dela sem que ela quisesse. Fazer algo novo? Claramente isso era coisa dele. Ela ainda tem que preservar essas ideias porque não se pode fazer mudanças radicais no meio de uma campanha, mas é evidente que ela pensa diferente. Querer unir o melhor de tudo é uma ideia digna da inteligência dela. E assim, de alguém que tava quase sem partido, a gênia de verde tem chances claras de ser a nova presidente (ou presidenta, como ela quiser). Não sinto mais a força que ela passava quatro anos atrás quando votei nela, mas ela está numa situação bem melhor que naquele tempo na campanha. Contra ela, em relação aos outros candidatos, pesa claramente a falta de experiência para governar, assim como os boatos de que nada que agrida o meio ambiente acontecerá no Brasil e consequentemente caminharíamos para um retrocesso inimaginável. A causa é nobre, e tem que ser defendida, afinal eu não aguento mais esse frio que se instala na minha cidade quente, mas até ela sabe que precisará ceder um pouco. Seria impossível governar um país em que nenhuma árvore pudesse ser derrubada ou que o pré-sal fosse interrompido imediatamente para sempre. Isso não acontecerá.

No fundo, o pensamento que cerca é que o problema do país não é o seu presidente. Todos os que podem ganhar tem a capacidade. Inclusive a presidenta atual queria tomar medidas excelentes no estopim das revoluções recentes, mas o que se nota é que os demais órgãos administrativos são uma barreira. O Senado e a Câmara parecem que se sustentam em um emaranhado de fios que não permite que nada se avance. Se olhar mais profundamente, da a sensação as vezes de que o problema de fatos sãos os partidos políticos, pois são eles que apertam esses nós nessas casas. Há solução pra isso? Talvez sim. Se pessoas como os candidatos à presidência ocuparem também cargos nessas esferas, pode ser que juntos eles vençam os próprios partidos (de alguma forma que não sei). Pense bem antes de votar nos deputados e senadores. É fácil votar em presidente e governador, mas são nos cargos difíceis de deputados e senadores, que se tem mania de votar de qualquer jeito que me parece estar a solução. Votar em branco é um risco. Se você acha que 50% + 1 de votos em branco vai anular a eleição, use o bom senso e pare pra pensar se isso realmente vai acontecer. Votar em branco é passagem direta, mesmo que involuntariamente, a aceitar a decisão dos outros, isso significa que, não adianta reclamar por 4 anos e votar em branco. Se votar em branco, não reclame de nada depois.

Ps: Espelho, espelho meu… existe algo mais engraçado do que dois políticos sentarem lado a lado e um ficar falando todas as coisas boas do outro? Parem com isso, por favor. Tenho crise de risos. Pronto, bombardeei vocês!

LHDS